A Sovena detém 7% do mercado mundial de azeite

Negócios. O capital é 100% português mas 80% da sua produção é dedicada à exportação. A internacionalização foi a chave do sucesso: hoje a Sovena está presente em nove países, exporta para 70 e quadriplicou o seu volume de negócios

 

A Sovena produz cerca de 200 mil toneladas de azeitona por ano e acompanha o processo até ao embalamento e distribuição. A integração vertical da produção e a expansão internacional fizeram da Sovena um líder mundial do setor do azeite

A Sovena produz cerca de 200 mil toneladas de azeitona por ano e acompanha o processo até ao embalamento e distribuição. A integração vertical da produção e a expansão internacional fizeram da Sovena um líder mundial do setor do azeite

Em 2003, quando a Sovena ainda era  um grupo centrado no mercado português, faturava menos de 400 milhões de euros. Este ano, a empresa calcula atingir um volume de negócios de 1400 milhões. Numa dúzia de anos a Sovena quadruplicou a faturação e tudo isto se deve a uma forte aposta na internacionalização e inovação.

Hoje, a Sovena está fisicamente presente em nove países e quatro continentes. 80% do que produz dedica-se a abastecer os clientes que tem em mais de 70 países. Para isso conta com entre 1100 e 1300 colaboradores, consoante se está ou não na época da apanha de azeitona.

Com oito fábricas – em Portugal, Espanha, EUA e Tunísia – e participações em cinco lagares de azeite, dois dos quais em Marrocos e Chile, a Sovena é, atualmente, senão a primeira empresa de azeites do mundo, uma das líderes a nível mundial do setor: controla 7% do mercado mundial de azeite.

A estratégia de internacionalização começou a ser desenhada por volta de 2001, quando o CEO António Simões concluiu que o mercado português de 10 milhoes de potenciais clientes não permitia crescer muito. Espanha, mercado mais próximo e um dos maiores produtores de azeite do mundo, foi o primeiro passo.

Apostando sempre fortemente na inocação tecnológica e dos métodos de produção, a Sovena tem no Lagar do Marmelo, em Ferreira do Alentejo, o expoente máximo da tecnologia, que, há dois anos consecutivos, é eleito o melhor lagar do mundo.

A partir de 2007, a Sovena passou a apostar também na integração vertical da sua produção: plantou o maior olival do mundo e controla toda a cadeia de valor dos seus produtos até ao embalamento e distribuição. E a estratégia vai ser continuar a procurar novos mercados, entre os quais a China, diz o CEO.

 

Texto: Adelaide Cabral
Fotos: Sovena